quinta-feira, 20 de novembro de 2014

COPA ALFA BARRA: SÁBADO E DOMINGO DO MELHOR JIUJITSU NO RIO.






Este ano a 20 ª COPA ALFABARRA  

vem com uma novidade que é a disputa da medalha de bronze entre os dois perdedores das semi-finais e também com mais áreas de lutas (6),  além da utilização de placares eletrônicos e a volta do tão esperado FESTIVAL KIDS , para crianças dos 4 aos 11 anos.


As categorias absolutos com o minimo de 8 participantes serão premiadas com KIMONOS  ATAMA, além de kits e brindes diversos.












                                                                    Olivar Leite.

JUDÔ: MASTERS DO MARANHÃO DÃO SHOW NA COPA FORTALEZA !











O Sensei Marco Leite, líder da Academia de Judô Ação, conquistou neste sábado passado o primeiro lugar na Copa Internacional Cidade de Fortaleza.

O evento promovido pela Federação Cearense de Judô com o aval da Confederação Brasileira, aconteceu no ginásio do Círculo Militar e contou com mais de 1.500 atletas, desde o Festival Infantil até a classe Máster

Marquinho lutou na classe Máster 4, categoria até 81 kg, a mesma em que foi Campeão do Brasil Open Veterans de Judô e também representante do Brasil no Mundial de Málaga-Espanha.


.

Também representantes da Academia Ação, Márcio Mesquita e Naldo Ricardo foram campeões em suas respectivas categorias




e completando a festa da delegação maranhense Sensei Antonio Luis Curió conquistou a medalha de prata e o Sensei José Ribamar Góes conquistou o bronze na sua categoria mostrando que o movimento do Judô Máster em todo Brasil com reflexos positivos no Maranhão já em pouco tempo, surge efeito trazendo de volta aos tatames grandes atletas do passado que continuam contribuindo e muito com o Judô atual.



O próximo desafio será o Campeonato Maranhense que acontecerá dia 23/11 no Ginásio Paulo Leite.





                                                                  Olivar Leite.

COPA BUDÔKAN; PARABÉNS SENSEI PEDRO ALMEIDA !









Sensei Pedro Almeida que tem uma vida dedicada ao Karatê, mais precisamente 35 anos ensinando na mais tradicional escola de Karatê do Maranhão a Budôkan, realizou no último dia 15 a sua também tradicional Copa Budôkan que contou com a ilustre´presença do Presidente da Confederação Brasileira de Karatê o Sensei Luis Carlos Cardoso do Nascimento.
Gostariamos de parabenizar o Sensei Pedro pela sua linda história, seu legado, e sua orientação positiva na vida de tantos karatecas que se formaram homens de caráter e cidadãos de bem graças a seu exemplo de homem de bem.
Parabéns Sensei!

Confira a galeria de fotos da Copa Budôkan abaixo:


























                                                        Olivar Leite.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

PREPARAÇÃO FÍSICA: 1 PERGUNTA E 5 FERAS RESPONDEM !








Eu busquei alguns especialistas em treinamento para atletas de alta performance para fazer a cada um deles, uma única pergunta,




Um atleta de alto rendimento do Jiujitsu, Judô Muay Thai e MMA com uma carga horária intensa de treinamentos diários, quantas vezes e qual o tempo de duração da preparação física você indicaria ?

Acompanhe abaixo a resposta de cada um desses profissionais, que tem relacionamento estreito com a vida de educador físico e preparador de grandes atletas;




















Marcus Costa

Primeiramente não existe uma receita pronta e jamais procurem uma, principalmente nos aspectos práticos da periodização do treinamento! 
Então sob este prisma, não me atrevo a afirmar o número exato da carga horária, da frequência e também do tempo da duração da preparação física. 
Tudo depende… pois cada caso é um caso diferente do outro. O que precisa-se saber é: o objetivo, o tempo disponível para treinamento, o volume da carga horária de treinos (da modalidade esportiva e da física), quantas horas de sono o indivíduo tem, se há alimentação e suplementação adequada para todas as fases do treinamento, se há uma multi e interdisciplinaridade de profissionais para trabalharem em conjunto e em prol do melhor rendimento deste atleta. 
Vale lembrar que cada modalidade de esportes de combate têm suas particularidades, suas especificidades. No alto rendimento isso também se reproduz na rotina diária e de treinamento dos atletas de cada modalidade de luta. Ressaltando que 80% de toda preparação foca-se no específico e 20% na parte física, o que nos remete que a preparação física é complementar, mas indispensável para o alto rendimento esportivo, 
Eu quero situar todos leigos e lembrar aos familiarizados com o assunto que o processo da preparação física é regido - obrigatoriamente - por toda a teoria da ciência do Treinamento Desportivo. 
Treinamento é o processo que favorece alterações alterações de um estado (físico, motor, cognitivo e afetivo). ë o processo que torna o indivíduo apto para determinada atividade ou tarefa. 
No treinamento desportivo, a prática do treinamento competitivo e periodizado na parte física e mental para o atleta, é de suma importância, pois o equilíbrio psíquico está diretamente relacionado ao rendimento e ao controle psicológico do competidor. Segundo Matvéiev (1991) é o processo especializado da educação física orientada, objetivando alcançar elevados resultados esportivos. Treinamento Desportivo é o preparo físico, técnico-tático, intelectual, psíquico e moral do atleta por meio de exercícios físicos. 
A maestria desportiva ou performance segundo Yuri Verkhoshansky (2001), é a arte do movimento para a qual a educação ou a preparação do atleta é realizada, sobre a base e durante o processo de uma atividade motora especializada, ou seja, decorrem da capacidade de desenvolver o necessário nível de potência física e de tolerar carga de treinamento indispensável ao melhoramento dessa capacidade. 
Ainda segundo ele, o aumento da maestria desportiva é relacionado principalmente a dois fatores: Primeiro ao aumento do potencial motor do atleta e segundo, a capacidade em utilizar eficazmente este potencial nas condições de treinamento e competição. 
Em 2013 na Rússia aprendi que, no processo de desenvolvimento das valências físicas do atleta o Período Preparatório realiza-se a preparação da parte física, técnica, tática, psicológica. Já no Período Pré-Competitivo o atleta deve estar quase no auge de sua performance. 
Vale lembrar que fatores externos valiosos (clima, distância, fusos, equipamentos, instalações, estado psíquico do atleta, etc.) podem influir na preparação física, e o preparador físico deve nivelar, harmonizar todos os fatores externos, ou até mesmo antecipar-se a eles. 
A ambientação dos atletas para as competições e planificar de acordo com  o calendário anual de competições para obter melhores resultados nas competições alvo e também ter o atleta na melhor performance e evitando lesões. 
Então como identificar se o atleta está na sua melhor performance?
Utilizando os Métodos Quantitativos como Progresso que nos indica se o atleta tem possibilidade e aumentar se desempenho, e como Estabilidade que nos indica se o atleta sem várias competições mantêm seus resultados. 
Os atletas de elite ou de alto rendimento preparando-se de forma correta para as competições  depois de uma curta recuperação continuam intervindo com êxito em outras competições. 
Os exercícios inclusos no treinamento devem corresponder sua especificidade quanto a amplitude e execução de movimento, além de observar toda técnica e o valor de esforço devem ser adequados as competições. 
A base geral da estrutura do treinamento pressupõem uma ordem rigorosa dos processos de treino e sua correlação com os princípios do treinamento e sua sequência lógica.

A primeira etapa é definir o que, para que e com que deve ser realizados o treino com objetivo de preparar o atleta para o treinamento. Um fator importante e considerável é o treinamento cumulativo pois se não for feita a soma dos treinos, as sessões de treino consequentes serão incidias do zero. Logo, todo processo posterior é consequência dos anteriores e sendo assim gradualmente deve haver o aumento de cargas no treinamento. 
O desenvolvimento das valências físicas do atleta é fruto da periodização das cargas no treinamento (ciência de estruturar, organizar e controlar o processo de treinamento). 
Sob as leis de estruturação e do treinamento reluz como tarefa fundamental do treinador no processo é controlar, organizar e distribuir cargas, prevenir lesões, preparar e desenvolver continuamente a performance do atleta. Consiste em assegurar aquele nível de preparação que lhe possibilite sua atuação em competições cada vez maiores. 
Assim conclui-se que na prática, devemos materializar tudo aquilo que traçamos e planejamos, definindo quais os exercícios específicos, meios e métodos a serem utilizados individualmente e coletivamente no treinamento, abordando todos os aspectos da preparação física, analisando e quando possíveis ajustando e corrigindo a dinâmica dos treinos no macrociclo. Avaliar os resultados alcançados, com o objetivo de preparar o atleta para as competições alvo.
























Eduardo DUDU Roberto :


No máximo 3x se for LPO

Olivar meu amigo, é exatamente isso!
Mas se você gostaria da referência vamos citar o cross training que foi um livro escrito pelo Prof.Dr Antônio Carlos Gomes e o Ney Pereira onde eles citam em trabalhos realizados na Rússia o seguinte. Quando se misturam vias energéticas diferentes é importante analisar a prioridade,  assim os treinos não se tornam concorrentes.  Ex: se você da um treino com ênfase na segunda via que é a glicose anaeróbia você pode utilizar depois de 6 horas o treino oxidativo e depois de 24h o treino fosfagênico. Ou seja a maioria dos treinos de luta são anaeróbio láticos para você evoluir na condição física você deveria estimular o treino anaeróbio alático com a finalidade de aumentar a velocidade e a força!  Sem prejuízo para preparação específica! 
Meu amigo. Abs

























Riccardo RAMBO:

Um atleta de alto rendimento do Jiujitsu, Judô Muay Thai e MMA com uma carga horária intensa de treinamentos diários, quantas vezes e qual o tempo de duração da preparação física você indicaria ?


O mínimo possível.

A dosificação da preparação física deve ser ótima. Nem mais, nem menos. Aumentar somente o volume de treino é uma estratégia pobre, que não irá garantir melhoras na performance em ciclos de treinamento consecutivos.
Esse foi um problema antigo na antiga União Soviética.
No final dos anos 70 a verdade fundamental era: “Para competir melhor, deve-se treinar mais”. O volume de treinamento foi aumentado ao extremo. E os cientistas se dividiram em suas buscas (Nesta época, chegou a ser criada a Antropomaximologia pelo Professor Kouznetsov, ciência que estudava os "limites" humanos).
Um grupo começou a pesquisar como artificialmente melhorar a capacidade de trabalho dos atletas, facilitando o aumento do volume da carga de treino e ao mesmo tempo aumentando a sua habilidade de recuperação. O foco era o estudo dos fatores fisiológicos que determinavam o resultado esportivo. Infelizmente estes estudos ajudaram a abrir a “caixa de pandora” do doping no esporte moderno.
Outro grupo de cientistas começaram a procurar formas de otimização do processo de treinamento. O objetivo era descobrir como melhorar os resultados esportivos sem aumentar o volume da carga de treino. Parâmetros específicos para cada modalidade esportiva foram desenvolvidos para atletas de elite que já possuíam alta habilidade técnica. Esses parâmetros foram desenvolvidos através das pesquisas da influência da fisiologia na performance. Com isso, se consolidava o “Block Training System” do Professor Yuri Verkhoshansky. Um concepção de treinamento que tem as leis da adaptação do organismo humano submetido a intensificada atividade muscular  como norte, e não somente uma metodologia pedagógica, que procura organizar períodos de treino.
Os treinos técnicos de luta são essenciais e muito desgastantes. O preparador deve saber o que priorizar e encontrar os volumes ótimos de treinamento para não sobrecarregar o organismo do atleta, gerando uma fadiga das adrenais e posteriormente um overtraining.
Nas primeiras 4 a 6 semanas do treinamento pode existir de 2 a 4 sessões de preparação física por semana. Mais próximo da competição, em blocos mais específicos, esse número diminui. O ideal fica em torno de 2 na semana ou até nenhuma. No treinamento de alto nível, a preparação física pode ser realizada juntamente com o treino técnico.























Itallo Vilardo


A preparação física deve ser um somatório no treinamento, algo que auxilie o atleta a realizar todo o treinamento e de um suporte para o atleta na hora da luta. Hoje em dia o que vemos é treinos cada vez mais intensos e treinamentos físicos cada vez mais extenuantes, indo em contra mão das “leis” do treinamento desportivo. E muitos preparadores físicos querem fazer da preparação física a parte mais importante do treinamento, o que é totalmente errado.
Um treino físico bem montado e elaborado de forma correta não dura mais que 50m, chegando no máximo 1h. Em alguns casos o treino físico pode durar bem menos, se fizermos um treino de resistência, para um atleta de MMA, podemos ter seções de treinos que durem 27m, sendo composta em média de 7m de fase inicial (orientação do que será feito e parte de aquecimento), 17m de parte principal (3 rounds de 5m com intervalo de 1m) e mais 3m de volta a calma.
Costumo trabalhar com meus atletas de 3 a 4 vezes na semana na parte física em si. E oriento que faça de 2 a 3 treinos intervalados de luta, que passa a ter um caráter de treino físico pela forma que ele é montado, mas para realizar um treino desses é necessário uma boa relação com a comissão técnica do atleta.
Pena que o que vemos hoje em dia vai ao contrário do que a ciência diz, o empirismo impera nas equipes de luta, e o treinamento passa a ser questão de sobrevivência, onde o atleta que sobrevive ao treinamento é o campeão, e isso acaba desperdiçando diversos talentos que necessitam de um treinamento mais direcionado e estruturado.
























André BENKEI


Um atleta  de qualquer modalidade  deve planejar minuciosamente sua programação de treinamento, ele não pode se focar no físico se perdendo na preparação técnica. . Tudo precisa ser harmonioso e equilibrado e periodizado na fase básica ele deve ser mais focado na fundação de sua arte,  aprimorar fundamentos técnicos e assim na parte física se preocupar com treino profilático (prevenção de lesões etc )  trabalho de força pura três vezes na semana seções de no máximo duas horas.  e na fase específica, trabalhar mais as estratégias as opções da luta e maximizar o tempo no condicionamento trabalho mais de velocidade resistência e elevar o limiar anaeróbio( ponto aonde o corpo perde a eficiência em remover o ácido lático etc ...
Então seções de uma a uma hora e meia duas vezes na semana .

 Osu



Galera espero que tenham curitdo, aprendido alguma coisa bacana e em breve voltarei com um artigo de cada um desses feras !!!!





                                             Olivar Leite. 

terça-feira, 18 de novembro de 2014

COALIZÃO FIGHT 4: CONSIDERAÇÕES.



A quarta edição do Coalizão Fight





trouxe ao evento um crescimento e uma maturidade maior do que as edições anteriores e isso é fundamental para a evolução e manutenção do evento no calendário nacional.
Falhas encontradas na edição anterior já foram sanadas e alguns detalhes que faltam arrumar já estão sendo tomadas as providências necessárias para qe o evento não pare de crescer e melhorar.
Obviamente estamos longe daquilo que pretendemos alcançar, em contra partida consigo detectar no coalizão com apenas quatro edições, profissionalismo e qualidade em algumas áreas que grandes eventos nacionais necessitaram de mais que uma dezena de edições para alcançar.
Contratado primeiramente como announcer, hoje me sinto parte integrante e atuante da equipe de organização, recebendo carta branca do Presidente Mickley Trator para ajudar, opinar e participar de tudo, reconhecimento esse que me trás muita honra e responsabilidade.
Agora em dezembro o Coalizão vem com mais uma edição, para coroar um ano de muito trabalho, coragem, disposição e sangue nos olhos.




Na edição em que Rodrigo Nocaute quebrou a invencibilidade de Mondragon, mais uma vez tivemos 
um card eletrizante com excelentes lutas e destaco a atuação do atleta Xinoco que me agrada por sua movimentação, pelo fato de buscar sempre a luta, tem uma excelente postura de ringue/cage agradando bastante .
Destaco também a explosão e sangue nos olhos ligado a um único objetivo; acabar a luta do Deus da Guerra que fez jus ao seu apelido.
Não tem como não comentar o co main event quando o atleta Rodrigo Idrante castigou na luta em pé seu adversário Eduardo Camelo, dando pinta que acabaria a luta no primeiro round, com Camelo se segurando em pé, mas o round acabou e no segundo round Camelo conseguiu levar a luta para o chão montou bateu e acabou com uma linda finalização no triângulo, luta com muita emoção, alternâncias e um show.
Voltando a luta principal, sabemos que encarar Mondragon não é tarefa fácil pra ninguém, mas a calma e a palavra repetida por Narcelo Nigue nas redes sociais antes do evento foi a peça chave do confronto: estratégia.
Nocaute impressionante num Mondragon que como sempre oferece show, foi pra cima buscar o nocaute e como se trata de pesos pesados, a mão que entra é a mão que será erguida como vencedora.
Festa do atleta da Memorial e Biteti Combat.








Parabéns a todos da equipe, Jorge, Mickley, Fabão, Aureo, todos sem exceção pelo excelente trabalho !!!!



                                                            Olivar Leite.